O uso de dados confiáveis na análise qualitativa dos riscos

Análise Qualitativa de RiscosO processo de realizar a análise qualitativa de riscos é o processo de avaliar o impacto e probabilidade dos riscos identificados. Este processo prioriza riscos de acordo com o seu efeito potencial nos objetivos de projeto. É uma análise subjetiva dos riscos, que depende da tolerância a riscos da organização e que requer dados precisos e não tendenciosos.

É realizado para determinar quais eventos de riscos devem ter uma resposta, determinar a probabilidade e o impacto de todos os riscos identificados, determinar quais riscos serão quantificados ao invés de se ir diretamente ao processo de planejar as respostas, documentar riscos não críticos ou não prioritários e a classificação geral dos riscos do projeto. Os riscos alta relevância ou prioridade exigem resposta imediata e são os primeiros candidatos para mais análise ou ação gerencial. Os riscos média relevância ou prioridade serão tratados logo a seguir e os riscos não críticos serão revisados durante a monitoração e controle

A análise qualitativa dos riscos requer que sejam examinadas a medida do entendimento do risco, a qualidade, confiabilidade e integridade dos dados disponíveis sobre o risco, visando garantir que estes dados  não sejam tendenciosos e possuam precisão.

 Tomemos um exemplo: Imagine que você vai para a guerra. Qual o maior risco que você corre? Se você julga que o mais crítico é ser alvo da ação do inimigo, veja abaixo a estatística do Departamento de Defesa dos EUA:

 Perdas do Exército dos EUA em Conflitos


II Guerra
1942-45

Coréia
1950-53

Vietnam
1965-72

Iraque
1990-91

Acidentes

56%
1.007.704

44%
77.108

54%
270.608

75%
1.406

Fogo Amigo

1%
15.839

1%
1.943

1%
4.678

5%
86

Ação Inimiga

43%
776.105

55%
97.198

45%
229.239

20%
366

Fonte: Departamento de Defesa (EUA)

 Ou seja, historicamente os Americanos têm sofrido mais perdas de vidas humanas em acidentes do que pela ação do inimigo. Então não se deixe levar enganar por suposições equivocadas. As suposições identificadas devem ser testadas quanto à estabilidade da suposição e conseqüências no projeto se a suposição for falsa.

 Claro que nem sempre os dados, ou sua fonte, são confiáveis. Desse modo, suposições alternativas, que possam ser verdadeiras, deverão ser identificadas e suas repercussões nos objetivos de projeto deverão ser testadas no processo de realizar a análise qualitativa dos riscos.

Mauro Sotille

Mauro Sotille possui certificação PMP - Project Management Professional (desde 1998) e PMI-RMP (Risk Management Professional). Membro do PMI Chapter Member Advisory Group (CMAG), foi Mentor do PMI para o Brasil, Presidente do PMI-RS e membro da equipe que desenvolveu o Guia PMBOK® . Tem treinado profissionais e acompanhado organizações na implantação de cultura corporativa de projetos. Autor de livros sobre gerenciamento de projetos e professor convidado da Fundação Getúlio Vargas (FGV), já ministrou mais de 160 cursos de preparação para certificação PMP e CAPM que proporcionaram a aprovação de centenas de alunos. É Diretor da PM Tech, onde orienta profissionais na capacitação em Gerenciamento de Projetos.

Siga-me: TwitterFacebookLinkedInPinterestGoogle Plus

Deixe um comentário

Você pode usar estes tags HTML

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>